sexta-feira, 20 de março de 2015

(...)



Voltei a pensar nos "ses". Naquela hora, naquele local, tive um bombardeamento de recordações. Voltei a repensar no que pensava já estar arrumado e quase fechado. Pus tudo em causa, tive dúvidas e a pior de todas, duvidei de mim. Sou demasiado transparente, então luto interiormente para, pelo menos, neste assunto não transparecer aquilo que sinto. Fujo quando os sentimentos estão quase a ser desvendados e esforço-me por sorrir. Poucos conseguem compreender-me e esses estão longe. Sei que só depende de mim caminhar em frente, mas por mais que siga caminho, existem ainda pequenos bombardeamentos de recordações, de perguntas, de "ses", que me fazem olhar para trás. Falam em tempo e eu espero, mas já um pouco impaciente. Talvez seja esse o erro, a impaciência. 
No dia que aceitar que o tempo não tem tempo, talvez me solte. Até lá, vou me redescobrir. 

2 comentários:

Beatriz Rosa disse...

Passei por uma fase muito idêntica e só quando me despreendi das emoções demasiado fortes e pouco saudáves é que consegui dar o melhor de mim mesma. :)))
Força querida

Ísis disse...

Sei o que estás a sentir e desejo-te muita força querida!