quarta-feira, 15 de abril de 2015




Já dizia a minha tia há uns tempos: "hoje em dia, as pessoas sobem uma escada e pensam que já estão no topo". Tão verdade e tão triste ao mesmo tempo. Cada vez mais as pessoas se disputam, passam por cima de tudo e de todos não olhando para o lado. Os meios começaram a justificar os fins, mesmo que seja por um aumento de uns míseros euros. Espezinhar virou moda de quem tem ou pensa que tem o poder e a submissão por parte de quem cumpre virou hábito por medo de perder o emprego. A resignação é a solução para a permanência dos empregos, sempre assombrados pelos números crescentes do desemprego. É triste saber que, provavelmente, é isto que me espera no futuro: resignação, submissão, escravidão.
Neste momento, o meu feitio não me permite calar. Apesar de não ter nada contra os meus supervisores (são uns amores), a semana passada uma colega que não me é nada faltou-me ao respeito e ameaçou-me. Esqueceu-se que empresas de trabalhos temporários há aos pontapés e pensou que ficaria a tremer com as ameaças. Enganou-se, não consegui ficar calada. Primeiro, não estou preparada para injustiças nem para resignações. Segundo, fazer promoções é algo que gosto mas não é algo que me preenche, não é o meu trabalho de sonho e tenho outros objectivos, outros sonhos. O caminho que quero trilhar passa por outras rotas, por isso não vou deixar que me pisem porque não tenho medo, sei o que valho.  
As pessoas estão a fazer tudo ao contrário. Em vez de se unirem, ajudarem e lutarem juntas contra as injustiças praticadas pelos grandes, queixam-se mas à primeira oportunidade vendem-se por migalhas, juntando-se a eles e lixando o maior número de pessoas. É o tudo ou nada num país com os valores cada vez mais diminutos. 

1 comentário:

P' disse...

Infelizmente é bem verdade... A sociedade está cada vez mais podre :s